Janelas que se abrem para o mundo:Fotografia de imprensa e distinção social no Rio de Janeiro, na primeira metade do século XX
PDF

Supplementary Files

foto1
foto2
foto3
foto4
foto5
foto6

How to Cite

Mauad, A. M. (1999). Janelas que se abrem para o mundo:Fotografia de imprensa e distinção social no Rio de Janeiro, na primeira metade do século XX. Estudios Interdisciplinarios De América Latina Y El Caribe, 10(2). Retrieved from http://eial.tau.ac.il/index.php/eial/article/view/1072

Abstract

"Primeiro fomos mais ou menos lisboetas, com o mundanismo. Depois londrinos e parisienses, agora somos new-yorquinos e hollywoodenses. O que chamava antigamente de 'sarau' passou a ser 'soirée' e hoje em dia é 'party' (...). No tempo do binóculo floresceu nossa primeira linhagem de elegantes republicanos. O asfalto, depois o automóvel fizeram o resto (...). Hoje poderíamos dizer: o Rio 'grows well' ou se acharem o adjetivo 'smart' também já foi vocábulo elegante usado antes de 1914, poderão fazer uma tradução mais moderna - 'Rio grows swell'." (Revista Rio Ilustrado, n° 170/171, agosto/setembro, 1953.)  Ao longo dos primeiros cinqüenta anos do século XX, a Capital Federal sofreu intervenções cirúrgicas na sua forma urbana, resultado de uma política urbanista que visava moldar a metrópole tropical, a imagem e semelhança das cidades temperadas. Bulevares, substituíram vielas; cafés e confeitarias, os freges e quiosques e o pacato cidadão deu lugar ao dandy ou ao smart; todas as instâncias do viver em cidade foram sendo adequadas a um novo padrão de comportamento.
PDF

Copyright © 2012-2013 Estudios Interdisciplinarios de América Latina y el Caribe.
ISSN 0792-7061
Editores:  Ori Preuss; Nahuel Ribke
Instituto Sverdlin de Historia y Cultura de América Latina, Escuela de Historia
Universidad de Tel Aviv, Ramat Aviv,
P.O.B. 39040 (69978), Israel.
Correo electrónico:  eial.journal@gmail.com
Fax: 972-3-6406931